Escrever esses posts já tá ficando complicado.
Sabe quando a saudade vai batendo forte e a cada foto editada rola aquele sofrimento?

Nesse post aqui sobre as 5 coisas que eu queria fazer no Atacama eu falei sobre flutuar na Laguna Cejar. E nesse dia, após o meu passeio preferido, foi pra lá que nós seguimos. O passeio pra Cejar é durante a tarde, então as 15h45 (após dormir até as 11, andar pela cidade e almoçar de boas) nós estávamos na porta da agência aguardando a van. 


De todos passeios que fizemos no Atacama, esse é um que por mais que eu tenha ~~gostado, eu não teria feito se tivesse pensado melhor. Tava um calor do cão (as 4 da tarde lá, é tipo meio dia na Bahia durante o verão), mas a Laguna é a b s u r d a m e n t e gelada. Não é gelada "tipo mar", que você entra e se acostuma, é gelada tipo: meudeusvomorre. Coloquei apenas meus pés na água e foi suficiente pra congelá-los, além deles ficarem cheios de sal (cheios mesmo, a água secou e eles ficaram brancos com o sal grudado). Nesse dia eu já estava com um pouco de dor de garganta, além das crises de rinite, então resolvi ficar de boa.

O Di tentou entrar (naquela vibe de: vim até aqui, paguei, então vou me arriscar) e adivinhem: deu uma alergia na batata da perna dele, ela "queimou" na hora (além de arder e ficar escura), sorte que eu estava com pomada na bolsa, ele saiu correndo da água, tirou o sal e passou. O guia falou que como os poros da perna dele são bem abertos, o sal penetrou e causou o estrago. Tirando a minha covardia e o Di que não teve muita sorte na vibe de aventureiro, quem entrava na Laguna saia em menos de 10 min por motivos de: impossível aguentar tanto sal e tanto frio.

O final disso foi que: pagamos pra agência nos levar até o passeio, pagamos pra entrar na Laguna (que foi bem, bem carinho - aliás, a entrada mais cara que pagamos no Atacama) e acabamos não aproveitando essa parte. Eu já tinha ido com roupa de banho, ai fiquei meio na bad com isso, acabei me trocando logo (no espaço aonde fica a Laguna, tem banheiros e vestiários, além de uns chuveiros pra tirar o sal do corpo, mas a água deles tem um cheiro bem fuen).


Ficamos cerca de uma hora na Cejar e depois entramos na van pra continuar o passeio, nossa parada seguinte eram nos Ojos del Atacama. Esses ojos - vejam bem - são dois buracos ENORMES no meio do deserto em que misteriosamente tem água doce (???) dá pra entender? Não. O guia até deu uma explicação pra isso com um fenômeno super raro da natureza (o qual eu esqueci o nome) mas pra mim isso é coisa de aliens, o que vocês acham? Eu acho que só isso justifica.


A água é doce (mas tem um poquito de sal, como tudo por ali) e pela cor dá pra perceber que é muuuito profundo, né? E segundo nosso guia, tem uma van afundada lá dentro (socorr). O fato é que é lindo demais, ainda mais no meio de toda essa paisagem - essa parte do passeio já tirou a bad vibes da Cejar e deixou com o sentimento de: eu precisava ter vindo aqui sim, porque é lindo demais. Parabéns migos Aliens pelo ótimo trabalho.


Depois desse lugar maravilhoso, seguimos pra nossa última parada: a Laguna Tebinquiche. Diferente de todas que havíamos parado nesse dia, essa não era liberada para banho. Inclusive, lá tinham alguns lugares demarcados por onde poderíamos andar. Demos uma volta, nisso já eram 7 da noite, o sol começava a cair, o guia preparou uma mesa com uns salgadinhos e amendoins pra gente comer, além de refrigerante e pisco (leia-se bons drinks). Então ficamos ali: admirando a vista da laguna, com o pôr do sol e os vulcões refletindo na água. As gaivotas (ou gaviotas, como eles chamam) começaram a aparecer querendo umas comidinhas também, a temperatura começou a cair, e esse foi mais um pôr do sol maravilhoso que entrou pra minha conta. :)


//

Pra conferir os outros posts da viagem só ir na tag desertos :)
BEIJOS

Contact

@KARINEBRTT