segundo dia a caminho do salar de uyuni e o deserto de siloli

28.2.16

Continuando nossa aventura bolivianaComo eu disse no último post, nesse dia acordamos às 7, tomamos café, arrumamos as mochilas e saímos com o sol já brilhando forte (mas marcava -10 graus no carro). Andamos um bom tempo no meio do nada, saímos de dentro da Reserva Nacional e depois de algumas eventuais cochiladas, vi que estávamos prestes a fazer nossa primeira parada: Deserto de Siloli, que pelo que entendi, também é conhecido como Deserto de Dali, já que dizem que o pintor se inspirou nas paisagens daquele lugar para produzir algumas de suas obras.


Assim como no Salar de Tara, essas formações rochosas foram todas esculpidas pelo vento, que vai modificando bem aos poucos a paisagem. Esse dia da viagem foi o que mais me senti "no meio do nada", já que já havíamos rodado bons kms da fronteira do Chile, mas também estávamos longe de Uyuni. Ficamos cerca de uma hora andando entre as rochas, fotografando, subindo-barra-quase caindo de algumas delas e aproveitando a paisagem.


A formação rochosa mais famosa desse deserto é essa da última foto, conhecida como "Arbol de Piedra", e realmente parece uma imensa árvore de pedra no meio da paisagem. Depois disso nós entramos no carro e seguimos viagem, fizemos uma parada não programada ali perto só pra fotografar os vulcões todos multicoloridos e maravilhosos.


Nesse dia eu lembro que nós passamos por vários caminhos muito doidos! Alguns completamente alagados, em outros passamos por cima de gelo (!!!) e em outros a estrada era como um penhasco enorme, com espaço apenas para um carro passar. Como começamos a descer, também encontramos várias Vicunhas pelo caminho (já que algumas vegetações começaram a aparecer), além de uma Viscacha super fofinha que não fugiu com nossa chegada e aceitou uma comidinha de presente (que vontade que deu de apertar essa coisa fofa, socorro).


Esse caminho até o salar é cheio de lagunas (blanca, verde, colorada), mas as próximas seriam as últimas que iríamos encontrar: Ramadita, Hedionda e Cañapa. Tirei uma foto da placa que indica o nome e localização das lagunas e depois percebi que os nomes lá estão diferentes, mas como o Mário nos falou que na Bolívia, além do Espanhol, eles falam mais duas línguas (dependendo do povoado) isso explica essa diferença, haha.

Paramos na primeira brevemente só pra fazer algumas fotos, já que comparada as outras que havíamos conhecido, ela era bem ~normalizinha~. A próxima, Hedionda, foi a mais maravilhosa desse dia (spoiler: era cheia de flaminhos, assim como a Colorada), mas vai ficar para o próximo post, já que fui editar as fotos desse dia e cheguei no total de 65 fucking fotos (mesmo deletando muitas). Eu não me importo com posts com muitas fotos, mas tenho o bom senso de achar 65 fotos DEMAIS. Então, no próximo tem a continuação desse dia, com mais duas lagunas, mais um pouco do deserto, com o alojamento que paramos para almoçar e nossa ida até a cidade de Uyuni (para dormir em um hotel de verdade!) que foi algo completamente inesperado, haha.


//

Pra conferir os antigos sobre a viagem só ver a tag desertos :)
BEIJOS
© coffee & flowers POR KARINE BRITTO