por que eu blogo?

11.7.16

Desde os blogs com gifs cheios de glitter, cursores animados e criados no kit.net (sdds 2001), essa história de ter um lugar pra falar sobre qualquer-coisa-relevante-ou-não na internet sempre me interessou muito. Comecei com o cantinho da ka (olá), passei pelo a hipotenusa e seus catetos (que nome criativo, vamos combinar), e agora estou aqui, com o coffee, rock & beer, que fala mais sobre meus outros vícios na vida, do que sobre os que estão no título do blog (ironias). O fato é que nunca fiquei muito longe desse mundo, e no meio desses que citei existem muitos que eu mal lembro como batizei. 

Esse canto aqui é o que mais tem durado e o que mais tem me trazido coisas boas. Nesses quase dois anos de blog fiz amigas que são amigas, e não colegas. Redescobri meu amor pela fotografia. Conheci muita gente talentosa, inteligente e que admiro, verdadeiras inspirações pra minha própria vida. Compartilhei conquistas e dramas, e recebi parabenizações, incentivos, ou ~ombros amigos. Aprendi um pouco mais sobre empatia, amor próprio e aceitação. Acompanhei histórias e torci pra que tudo desse certo. Consegui trabalhos. Criei carinho por pessoas (até então) desconhecidas apenas por lê-las, assim como recebi carinho de pessoas que tiraram (e tiram) um pouco do seu tempo pra vir aqui ler esse monte de palavras que eu escrevo. Foi (e é) sempre assim, uma troca.

As vezes dá vontade de desistir de tudo, principalmente quando a real life dá uma bagunçada, vem aquela preguiça de viver e você se pega com mais de mil posts pendentes pra ler no inoreader (???), ou quando vê tanta gente querendo ser mais do mesmo e fazendo coisas só porque estão na moda (coitado do minimalismo e fundo branco em fotos), ou quando roubam conteúdo, ou quando ~olha só que foto super parecida com a que tirei semana passada, né?~, ou... São muitos ou's, muitos, MUITOS. Com o coffee, rock & beer (que acabou virando coffee & flowers) - que veja bem, tá longe de ser um blog grande - eu aprendi que criar conteúdo na internet é algo realmente complicado e pode ser exaustivo. Porque do mesmo jeito que ela te dá muito amor de um lado, também pode ser como o abraço do caipiroto do outro, e isso é um saco. Um puta saco.

Por esses motivos, por não querer transformar algo que pra mim é um hobbie em obrigação e acabar pegando ódio, eu sumi. Diminui o ritmo na fotografia, no instagram, reclamei muito no twitter, pensei em deletar o blog, desisti, morri de preguiça, assisti muito seriado, trabalhei, morri mais um pouco de preguiça, reclamei mais, e agora tô aqui, porque a saudade finalmente bateu. E aí eu lembrei desse post que eu vi em alguns blogs (o último que eu vi foi no blog da Cheel, o eu nomadiando, mas ela desativou ;-;) e concluí que eu blogo porque é bom ter um espaço livre pra compartilhar coisas que eu gosto, escrever o que quero, conhecer gente com gostos em comum e acompanhar suas histórias. Que isso é uma válvula de escape, uma forma de sair um pouco do estresse do cotidiano, e por isso não preciso me preocupar o tempo todo em criar conteúdo, não preciso anotar cada detalhe das coisas que eu faço só pensando na perfeição dos posts, que a liberdade que eu busquei na hora de criar um blog também está nisso: nos errinhos, nos posts que eu prefiro não fazer, nos momentos que vivi e preferi guardar pra mim. 

//

E você, por que bloga?
© coffee & flowers POR KARINE BRITTO