revelei: pentax k1000 + kodak colorplus 200

17.8.17


E lá vamos nós, esse é mais um post sobre minhas aventuras analógicas :) mas vou começá-lo desfazendo uma grande confusão sobre os últimos filmes que usei. Eu jurava e tinha toda certeza do mundo que os primeiros filmes que eu havia comprado para a Trip 35 e para a Pentax K1000 eram os mesmos: o Colorplus 200 da Kodak. MAS, quando peguei as fotos dessa última revelação -teoricamente usando o mesmo filme- percebi uma diferença absurda nas cores. Pois é. A louca aqui estava bem enganada e na verdade, tanto esse filme que não deu (muito) certo, quanto o primeiro filme que coloquei na Trip 35, eram o Kodak Pro Image 100. Fiquei bem assustada quando vi a saturação desse Colorplus 200 -que pelo nome dele faz todo sentido que seja assim-, mas segue a vida, né? Já arrumei as informações dos posts antigos e pelo menos conheci um filme diferente, HAHA. Os dois custam basicamente o mesmo preço aqui em São Paulo, entre 16-18 golpinhos.


Coloquei esse filme na Pentax K1000 em outubro do ano passado, então ele ficou quase 10 meses dentro da câmera, hahaha. As fotos estão na sequência em que foram feitas e essas primeiras são de um dia gostosinho com o mozão lá no Parque do Ibirapuera, amei o desfoque dessa última. Levei a Trip 35 nesse dia também e por essa foto dá pra ver bem a diferença na cor dos dois filmes, o Colorplus tem um verde bem mais amarelado e saturado, o que me faz gostar muito mais do Pro Image, já que sou a louca das fotos menos saturadas como vocês já devem ter notado, HAHA.


Apesar de ter gostado bastante do resultado desse filme, principalmente pelo medo que eu estava de que nenhuma foto desse certo (traumas, eu sou feita deles, risos) eu ainda tenho um looooooongo caminho a percorrer na fotografia analógica. Mesmo que eu saiba que tô fotografando com filme, o má costume de fotografar com câmeras digitais ainda está aqui. Eu sou uma pessoa meio torta por natureza e não tô exagerando, um ombro meu é claramente mais pra cima do que o outro, então se eu não prestar muita atenção, as minhas fotos acabam saindo tortinhas e desalinhadas. Coisa que não é problema ao fotografar com câmeras digitais, né? Já no filme não é beeeeeeem assim. Embora dê pra ajustar algumas coisas nas fotos -quando digitalizadas-, nos negativos elas estarão sempre com sua 'composição original'. Posso parecer meio chata e perfeccionista com isso (e na verdade sou mesmo), mas não quero fotografar com analógica só pelo lado emocional e saudosista da coisa, sabe? Eu quero que as experiências analógicas me tragam aprendizados, aprendizados que serão levados para o meu trabalho com a fotografia digital. E falando sobre isso: as próximas 6 fotos foram tiradas com o fotômetro sem funcionar (!!!) porque a bateria havia acabado e só percebi muito tempo depois, HAHA. Ainda bem que no final elas deram certo. Essas três primeiras foram tiradas no dia do meu aniversário de 27 anos, dia 9 de Abril de 2017.


Percebi que o fotômetro estava parado depois que fiz essa foto da Summer. Mas aí eu não tinha muito o que fazer, só comprar uma bateria nova para as próximas fotos e esperar pelo resultado. No final ficou tudo certo, só as duas fotos dos gatos -feitas em casa- ficaram escuras e com mais ruído (mas gostei mesmo assim). Não sei se o laboratório fez alguma coisa em especial com esses dois negativos, mas acredito que não ou teriam me avisado (revelei na Foto Ferrara, que fica no Centro de SP). Então fica aqui uma dica importante: não confiem tanto assim nos fotômetros de câmeras analógicas. E principalmente, desconfiem se a mesma fotometria estiver 'funcionando' para várias fotos em dias e ambientes diferentes. Não sejam tão ingênuos e distraídos quanto eu, HAHA. Essa próxima foto é uma das minhas preferidas desse rolo, feita lá no Mirante 9 de Julho no dia em que a Clarinha estava em Sampa :)


Essa última foto ficou do jeitinho que eu imaginei: desfocada e com essas bolinhas brilhantes <3 já a penúltima não deu muito certo e não sei como consegui desfocar a Clara tanto assim, desgurpa miga sou míope HAHA. Foi minha primeira vez fotografando à noite com câmera analógica (e com um filme que nem é pra isso, já que o ISO dele é baixo) mas gostei bastante do resultado e das luzes de sampa nessas duas fotos :)


Essas últimas fotos são do dia que visitamos a Pinacoteca. Acabei não fotografando com a analógica lá porque gastei quase todas as últimas poses desse filme na Liberdade. Adorei todas as fotos feitas lá, até aquela bem desfocadinha. A minha preferida é a que as meninas estão olhando e essa da luminária com o céu bem azul (e olha que eu geralmente não gosto de céu azul em fotos, HAHA). A última foto que coloquei no post é a número 35 do rolo, do lado direito ela ficou meio queimadinha porque eu ABRI a tampa da câmera sem querer antes de rebobinar o filme (sorte que foi só um pouquinho), mas a foto 36 acabou queimando. Acontece, né? HAHA. Em um geral, fiquei bem satisfeita com essa segunda experiência usando a Pentax! Comprei o corpo de uma analógica nova esses dias e o próximo post com esse assunto aqui no blog deve ser sobre ela (ou sobre algum próximo filme revelado e fotografado com ela, haha), tô bem animada com a nova aquisição :) E é isso. Espero que tenham gostado desse post cheio de altas aventuras e confusões, HAHA.

BEIJOS
© coffee & flowers POR KARINE BRITTO